Postado nas Categorias | Biologia

DESMISTIFICANDO A GRIPE SUÍNA

MáscarasVamos começar esse texto desmistificando o próprio nome “gripe suína”. Não há instâncias de pessoas infectadas com influenza A (que ficou famosa como gripe suína) por porcos ou outros animais. Mas então da onde surgiu essa má fama para os pobres porcos? Os suínos, assim como as aves, equinos, focas e seres humanos são reservatórios do vírus influenza. Em geral, a transmissão ocorre dentro da mesma espécie, com exceção dos porcos, que podem ser infectados tanto pelo vírus humano quanto pelo aviário. Inicialmente a suspeita era de que a nova variedade de vírus pudesse ter surgido a partir da troca de material genético entre subtipos do vírus influenza A de origem humana e animal, por isso veio o nome gripe suína. No entanto, essa origem ainda é imprecisa.

Vírus H1N1 isolado pela virologista Terezinha Maria de Paiva (Instiruro Adolfo Lutz)

Vírus H1N1 isolado pela pesquisadora Terezinha Maria de Paiva, do Instituto Adolfo Lutz.

As máscaras são utilizadas na tentativa de impedir o espalhamento do vírus. Os vírus saem por meio de gotículas de secreções das vias respiratórias de uma pessoa infectada, ao falar, espirrar ou tossir. As mãos realizam um papel crucial na infecção, pois mãos que tenham entrado em contato com o vírus podem contaminar a pessoa pelos olhos, boca ou nariz.

Os sintomas comuns entre a nova gripe e a gripe “tradicional” são diversos, entre eles febre, coriza, dor de cabeça e garganta. Mas a grande preocupação e a maior diferença entre essas gripes vem do alerta de uma pandemia causada pela nova gripe, já que o novo vírus espalha-se rapidamente entre as pessoas e a maioria delas não está imunizada, pois ainda não existe uma vacina para a nova gripe.

Um dos casos de pandemia ocorreu no início do século XX e ficou conhecida como gripe espanhola. A gripe espanhola também era causada pelo subtipo H1N1 do vírus influenza A e foi devastadora, tendo provocado a morte de 20 a 50 milhões de pessoas.

Até agora a atual gripe A atingiu 94.512 pessoas em 135 países e territórios, sendo que no Brasil já são quase 1000 casos. Esforços estão sendo realizados por pesquisadores ao redor do mundo para desenvolver uma vacina eficaz para conter a doença.

Luciane Pivetta

Mais informações:

http://www.cives.ufrj.br/informacao/gripe/gripe-iv.html

http://portal.saude.gov.br/

http://who.int/en/

http://www1.folha.uol.com.br/folha/especial/2009/gripesuina/

http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/wmv/influenza_geral.wmv

Brincadeiras à parte:

Como a gripe começou:

Como a gripe começou

Prevenção da gripe suína:

Prevenção da gripe suína

deathpig

Acesse também:
linklog
muleque-doido

Related Posts with Thumbnails

8 Comentários para este artigo

  1. Diego Escreveu:

    “Os suínos, assim como as aves, equinos, focas e seres humanos são reservatórios do vírus influenza. ”

    DESSA EU NÃO SABIA.

  2. Joe Casanovas Escreveu:

    Quer desmistificar o nome de gripe suina, entao qual o nome que quer dar a actual pandemia da nova gripe, que na realidade se chama : vírus da gripe suína, ou Influenza H1N1 A/California/04/2009 – isso sim é um nome completo – veio do rearranjo de três vírus suínos, ou seja, é um vírus de origem suína com certeza.
    Peço consultar o site que envio, para se esclarecer mais cientificamente e assim poder dar melhores informaçoes

    http://scienceblogs.com.br/rainha/2009/05/a_origem_do_influenza_a_h1n1_o.php#c1779431

  3. Luciane Escreveu:

    Caro Joe,
    Quero deixar claro que em nenhum momento eu disse que o vírus não era suíno. Eu disse que a origem era imprecisa. Pelo menos essas foram as informações que obtive e quis traduzir isso de modo claro para leigos no assunto. Eu não vou me comprometer dizendo qual é a origem do vírus sem ter embasamento científico para isso (detalhe: vc me passou seu blog, desculpe mas isso não me dá embasamento científico, apenas um artigo de uma revista científica conceituada me dá).
    Aliás, o que eu disse (“Inicialmente a suspeita era de que a nova variedade de vírus pudesse ter surgido a partir da troca de material genético entre subtipos do vírus influenza A de origem humana e animal”) não é nenhum absurdo, pois vc mesmo tb escreveu isso em seu blog (“quando estavam fazendo as primeiras análises sobre o vírus, foi dizerem que ele era um rearranjo do vírus humano com o suíno e o aviário”).
    Abs.

  4. Luciane Escreveu:

    Ah! Esqueci de acrescentar: caso vc tenha um artigo de uma revista científica conceituada para me recomendar, agradeço. Pelo menos no momento que escrevi essa matéria, a informação que obtive sobre a origem imprecisa do vírus foi retirada do site World Health Organization (Organização Mundial da Saúde), como colocado após o texto.

  5. Luciane Escreveu:

    Para aqueles que desejam um conhecimento mais profundo em relação à origem genética do novo vírus H1N1 (o que não é intuito deste blog) recomendo o artigo científico publicado no dia 10 de julho na Science:
    “Antigenic and genetic characteristics of swine-origin 2009 A(H1N1) influenza viruses circulating in humans.”(Garten et al.)

  6. Diego Galeano Escreveu:

    Ótimo Luciane.
    Isso é bom para quem quer aprofundar um pouco mais. É o que eu vou fazer agora!!!

  7. Luciane Escreveu:

    Diego (e qualquer leitor do blog),
    Caso não consiga achar o artigo me peça que eu envio por e-mail.

  8. larissa Escreveu:

    a gripe suina um uma gripe muito forte

Deixe sua opinião, participe

Divulgue-nos

120x60


125x125


Mantenha-se Informado

Receba as atualizações por e-mail. Digite-o abaixo:

visitas desde 19/01/2009
Pessoas on-line.